Senhores Passageiros

sobre aeroportos, aviões e afins

 -

Ricardo Gallo é repórter da Folha

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Filme exibido em avião corta acidente aéreo para não assustar passageiro

Por Ricardo Gallo
Entretenimento de bordo em voo doméstico da Avianca (Leonardo Soares – 9.out.2013/Folhapress)

* Post corrigido às15h04

Pense da última vez em que você assistiu a um filme a bordo de um avião: quantos deles mostravam um avião que caía, explodia ou apresentava problemas?

Provavelmente você dirá: nenhum.

A explicação é que os filmes exibidos a bordo dos aviões são editados para não mostrar acidentes aéreos. Não acontece só no Brasil, mas no mundo todo.

Faz sentido: a iniciativa pretende não causar (ou piorar o) medo dos passageiros em uma aeronave a 850 km/h e 12 mil metros, a velocidade e a altitude de cruzeiro habituais.

Me dei conta da edição em um voo em que assistia ao filme-catástrofe “2012”, de 2009, em que um Antonov 500 (versão para o cinema do maior cargueiro do mundo, um Antonov An-225 Mryia) é destruído durante um malsucedido pouso forçado. Na cena a bordo, essa cena havia sido excluída.

 

[youtube nTFEXzPJeAE nolink]

 

Acontece também com outros filmes, como Guerra Mundial Z, lançado neste ano, em que a fuselagem de um avião explode em pleno ar. Experimente vê-lo a bordo (ele está em exibição na maior parte dos voos internacionais): nada de acidente.

 

[youtube i4tRW6k4sos nolink]

“Não podemos mostrar nenhum conteúdo com cenas negativas envolvendo aviões, seja em filmes ou séries. Isso inclui turbulência, desastres, sequestros de aviões”, disse ao blog a IFE Services, que fornece conteúdo para entretenimento de bordo a 47 clientes no mundo, entre os quais TAM, LAN e Aerolíneas Argentinas.

Outra empresa disse o mesmo. “Nós temos que evitar conteúdo que possa ofender o público internacional”, disse ao blog a Skyline IFE (“IFE” é a sigla de “In-Flight Entertainment”, ou entretenimento a bordo), que tem como clinetes a Emirates, Lufthansa, Avianca (Colômbia) e Copa, todas com voos para o Brasil. Alguns temas políticos também são evitados.

Não dá para dizer que as empresas enganam os passageiros. Antes de cada filme, uma mensagem é exibida dizendo que “o conteúdo foi editado para aquele formato”.

Blogs da Folha