Senhores Passageiros

sobre aeroportos, aviões e afins

 -

Ricardo Gallo é repórter da Folha

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Avião da Gol é atingido por raio e volta a Brasília

Por Ricardo Gallo
Nariz do avião da Gol
Nariz do avião da Gol (Arquivo pessoal)

* Atualizado às 20h27

Um avião da Gol teve que retornar ao aeroporto de origem depois de ter sido atingido por um raio durante uma tempestade.

O para-brisas ficou trincado.

O caso ocorreu na noite da última segunda-feira com o voo 1674, que havia decolado de Brasília por volta de 21h30 rumo a Fortaleza.

“Teve um estrondo. Foi apavorante, porque as luzes da cabine se apagaram –ficaram apenas as luzes paralelas ao chão–, o ar condicionado parou e ficou um cheiro de queimado”, disse o engenheiro Sergio Golgher,44. Segundo ele, algumas pessoas gritaram.

A aeronave do voo era um Boeing 737-800, com 66 passageiros a bordo.

Ao pousar em Brasília, o comandante classificou o episódio como uma turbulência. Segundo a Gol, o estrondo ouvido se deveu ao raio –e que a iluminação se apagou por alguns instantes pelo mesmo motivo.

O nariz da aeronave ficou preto, provavelmente em razão de granizo contra a aeronave. Outro passageiro enviou à Folha uma foto, desfocada, que você vê acima.

Os aviões são dotados de para-raios. O raio se propaga na superfície externa do avião.

Os passageiros seguiram viagem em outro avião e/ou foram reacomodados em hotéis.

Sergio e outros 17 passageiros prestaram queixa contra a Gol no Juizado Especial Cível do aeroporto de Brasília, porque a empresa, segundo o engenheiro, havia inicialmente se recusado a fornecer hotel para os passageiros. Depois, diz, a Gol voltou atrás.

Blogs da Folha