Senhores Passageiros

sobre aeroportos, aviões e afins

 -

Ricardo Gallo é repórter da Folha

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Esmagadora maioria das passagens tem preço convidativo, diz Abear

Por Ricardo Gallo

A esmagadora maioria das passagens aéreas é vendida a preços convidativos, diz Adalberto Febeliano, consultor técnico da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas).

Ele falou com o blog por ocasião do post que mostrava passagens da Azul, para quatro pessoas, vendidas a R$ 13 mil no trecho Brasília-Petrolina, na Semana Santa.

Febeliano é um dos experts brasileiros em composição de preço de passagens. Engenheiro, pós-graduado em administração, tem mestrado com foco em transporte aéreo. Ele já trabalhou na Azul e é professor da Anhembi Morumbi em economia de transporte aéreo.

Ele lembra dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil): segundo a agência, apenas 0,4% das passagens aéreas custavam acima de R$ 1.500. A maioria (63%) custavam até R$ 300. Os dados são referentes ao primeiro semestre do ano passado.

Para entender: as companhias aéreas são obrigadas a informar todas as tarifas para a Anac, que divulga balanços periódicos.

A seguir, os trechos da conversa:

QUANDO COMPRAR?

“Se o passageiro quiser viajar em véspera de feriado, o ideal é comprar no dia em que abre a venda”

 

MENOS VOOS, PASSAGENS MAIS CARAS

“A realidade de um voo entre Brasília e Petrolina é bem diferente de um voo entre o Rio e São Paulo, ou entre Londres e Paris. Petrolina é uma cidade média (cerca de 220 mil habitantes), com muito menos voos do que as principais cidades. Fica mais disputado viajar em períodos de maior demanda.”

 

CONTROLE DE PREÇOS

“O único país do mundo onde o preço é controlado é a Argentina. No restante do mundo é liberado, a partir do exemplo dos Estados Unidos, no final dos anos 1980.”

 

PREÇO ALTO?

“O preço está alto? No mundo inteiro na véspera de feriado é assim. Não tem jeito, infelizmente, quando a demanda está alta.”

 

O QUE FAZ ENCARECER

“Esse passageiro comprou uma passagem com três conexões: de Brasília para Campinas, de Campinas para Belo Horizonte e de Belo Horizonte para Petrolina. Se não fosse véspera de feriado, é possível que não houvesse tanta gente a bordo. Mas, na véspera de feriado, o voo de Brasília a Campinas está cheio, o de Campinas a Belo Horizonte também. Levar esse cliente de passageiro significa deixar outros três pagantes no chão –portanto, a conta é que ele tenha que pagar o que esses outros três pagariam.”

 

VOO COM ESCALA

“Voos diretos, regra geral, são mais caros do que aqueles com escala ou conexão. Quando estamos falando de altíssima demanda, essa lógica não vale. Ainda mais em aviões da Azul, que são de 100 lugares.”

 

VOOS INTERNACIONAIS MAIS BARATOS?

“Voos internacionais têm benefícios como isenção de ICMS. Além disso, os aviões que fazem voos internacionais são maiores e têm menor custo de assento por quilômetro. Quanto maior o avião, menor o seu “Cask” (O custo do assento por km).”

Blogs da Folha