Senhores Passageiros

sobre aeroportos, aviões e afins

 -

Ricardo Gallo é repórter da Folha

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

Companhias aéreas são processadas por emissão de poluentes em Guarulhos

Por mariana barbosa

 

Mais de 35 companhias aéreas estão sendo processadas pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, devido a danos ambientais provocados pelas operações no aeroporto de Guarulhos.  “Muitas dessas ações estão sendo derrubadas na Justiça, mas outras estão seguindo seu curso”, disse o presidente da IATA (associação internacional das empresas aéreas), Tony Tyler, em visita ao Brasil no mês passado. “Decisões desfavoráveis às companhias aéreas internacionais poderão afetar seriamente a aviação no Brasil, dada a importância que essas companhias têm em prover conectividade global para o Brasil.”

O MP pede compensação ambiental pelas emissões de CO2 nos pousos e decolagens, que em 2010 eram estimadas em 14 milhões de toneladas/ano. O MP propôs um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), mas nenhuma companhia assinou.

Na visão da IATA, as empresas não estão infringindo nenhuma lei ambiental e não há base legal para a imposição de medidas compensatórias para as emissões.  “Essas ações desconsideram os compromissos internacionais firmados pelo Brasil em fóruns multilaterais, incluindo a ICAO (Organização da Aviação Civil Internacional). Também vão contra a posição do Brasil nas negociações com a União Europeia. O Brasil é contra a decisão unilateral da UE de tentar impor regime de comércio de licença de emissões para as companhias que voam para Europa”, disse Tyler.

Na época em que foi proposto, o TAC previa uma compensação financeira de US$ 1 a US$ 5 por passageiro embarcado no aeroporto. As companhias poderiam em troca plantar 50 mil m² de árvores nas áreas urbanas de Guarulhos ou comprar e reflorestar áreas degradadas de 200 mil m² em zona rural.

Como as empresas se recusaram a assinar o TAC, elas agora respondem na Justiça pelos danos ambientais causados à cidade. A ação do MP fala em multa proporcional aos danos causados desde o início das operações de cada empresa no aeroporto. Ou seja, é retroativa até 1985, quando o aeroporto foi inaugurado.

Dentre as companhias que estão sendo alvo de processo estão American Airlines, Continental, Delta, Avianca, Swissair,  South África, Copa, Air Canadá, Gol, TAAG, Mexicana, JAL e Aeromexico.

METAS GLOBAIS DA AVIAÇÃO

A aviação já trabalha com metas globais de redução de emissões. No curto prazo, a meta reduzir em 1,5% ao ano o consumo de combustível até 2020. A partir de 2020, o crescimento do setor deve ser neutro em carbono. E até 2050, a meta é reduzir pela metade o volume de emissões registrado no ano de 2005.

Blogs da Folha